Vício em sexo: como saber que estou assim? Identificando o transtorno


Se você gosta de estar sempre por dentro de assuntos que envolvem sexualidade e relacionamentos, com certeza já deve ter ouvido falar sobre vício em sexo, não é? Esse transtorno pode se tornar algo muito grave, principalmente porque atrapalha vários aspectos da vida.

É diferente de um simples tesão. Quando os comportamentos obsessivos começam a aparecer, notamos que um transtorno real já está presente.

Entretanto, o problema é que muitas pessoas que possivelmente sofrem dessa doença tendem a ter vergonha. Afinal, em diversas sociedades (inclusive na nossa), o sexo ainda é um tabu ‒ o vício nele, então, nem se fala!

Se você acredita que pode sofrer desse mal ou se relaciona com alguém que pode ser assim, acompanhe o post para entender o que classifica esse vício e quais são os sintomas.

O que é vício em sexo? Entenda mais sobre o transtorno!

Você já assistiu, alguma vez, o filme Ninfomaníaca (2013)? Ele retrata algumas histórias fictícias de pessoas que sofrem de obsessividade sexual, o que dá a oportunidade dos telespectadores compreenderem um pouco sobre como funciona esse ciclo vicioso.

Atos são considerados vícios a partir do momento em que se tornam repetitivos e trazem muitos malefícios, prejudicando a pessoa que sofre dele, assim como quem a cerca. Eles podem se tornar tão graves que acabam destruindo relações, diminuindo o bem-estar, entre outros danos.

É por isso que vício em sexo também é considerado uma doença, já que causa prejuízos em questões de atenção e concentração, relacionamento, socialização e muito mais. Apesar do vício em pornografia ser algo diferente, esse pode acarretar o vício em sexo e vice-versa. Estar atente é sempre importante!

O mais complicado dessa situação problemática é que o sexo ainda continua sendo um tabu entre as pessoas, causando constrangimento tanto para quem sofre quanto para quem sabe e está por perto, como parceires. Tudo isso dificulta a procura de ajuda e possíveis tratamentos. Bem difícil, não é?

Ainda assim, é bom ficar sempre de olho para perceber os sintomas e tentar procurar alguma ajuda.

Sintomas de vício em sexo: saiba como identificar!

É importante frisar, primeiramente, que sentir desejo de fazer sexo mais que uma vez no dia é algo normal, ok? Sentir tesão, sozinhe ou acompanhade, é uma coisa inerente ao ser humano. Está em nossa constituição, em nossos instintos. Ter a compulsividade sexual é bem diferente!

Como todo vício, esse também é possível identificar pela frequência. Viciados em sexo estão, a todo momento, querendo ter relações sexuais várias vezes ao longo do dia, masturbando-se com poucas pausas ou consumindo conteúdos sexuais, como a pornografia, muitas vezes.

Que fique claro que não estamos falando de tesão por uma pessoa, viu? Ter vontade de fazer sexo com o perceire é comum de acontecer na maioria dos casos. A questão aqui é uma compulsividade que não considera pessoa, apenas precisa ser saciada.

Ainda diferindo a obsessão de um simples desejo ou libido altos, o viciado nunca se sente satisfeito. Fisiologicamente e momentaneamente, sim, mas logo a impulsividade emocional volta, tomando, novamente, seus pensamentos e vontades e gerando frustrações.

A masturbação constante e muito sexo sem pausas pode causar machucados nas regiões genitais pelo atrito. Então, quando há lesões, mesmo que leves, na vagina ou no pênis e em regiões erógenas, é importante observar. Isso pode ser mais um sinal do vício.

Ainda, o pensamento também se embaralha, fantasiando sobre sexo em várias horas do dia, seja no trabalho, em casa ou em compromissos com os amigos. É uma obsessão, a pessoa fica focada nisso e, muitas vezes, não consegue ter outros pensamentos coerentes.

E isso é totalmente involuntário, por isso, sem julgamentos, ok? Imagina que pesado é estar no trabalho, tentando realizar suas tarefas e não conseguir? É complicado! A pessoa se torna incapaz de pensar em outra coisa, mesmo tentando.

Isso pode consumir tanto o dia, as ações, o emocional e o físico de alguém, que este começa a se sentir envergonhado, deixando de lado suas atividades normais e se isolando. Ainda, sentimentos fortes e desagradáveis como angústia e ansiedade também se manifestam.

Talvez essa seja uma das maneiras mais fáceis de identificar as características obsessivas de um vício: quando ele começa a fazer a pessoa se sentir mal.

Consequências do vício: ele pode te levar a situações mais graves!

Uma das consequências que esse vício pode acarretar é uma infecção sexualmente transmissível, já que a pessoa está mais suscetível e frágil, apenas buscando alguém para continuar suas fantasias, gerando, possivelmente, um comportamento pouco cuidadoso consigo.

Esse aspecto de não ter tanto cuidado com o outro pode se voltar para quem está ao redor, gerando complicações sociais – seja com a família, com o trabalho ou com a própria pessoa que está junto. Isso pode acarretar em comportamentos inadequados socialmente, como assédio virtual, moral, entre outros. E todos nós já sabemos: assédio é crime.

Ainda, a angústia pode se tornar tanta que a pessoa busca alívio em comportamentos autodestrutivos, embebedando-se ou consumindo drogas mais pesadas, por exemplo, o que também pode virar um vício.

Por isso, contar com a ajuda de um profissional especializado é de suma importância para que o vício não chegue a essas consequências.

Possíveis tratamentos para o vício em sexo

Para que se crie a possibilidade de um tratamento, é necessário que a pessoa reconheça que sofre desse problema. É difícil e trabalhoso, mas é um passo essencial para a recuperação.

Assim, começar procurando profissionais qualificados para isso é o segundo passo, como psicólogos, andrologistas ou ginecologistas, terapeutas e psiquiatras. Esses médicos vão destrinchar o problema para encontrar uma solução, seja por métodos de conversação, remédios, entre outros processos.

Existem, também, grupos de apoio que podem auxiliar no tratamento. Neles, pessoas compartilham suas experiências e sentimentos, criando uma rede de empatia muitíssimo necessária nesse momento difícil, evitando com que os viciados se sintam sozinhos.

Vícios são coisas bem pesadas, realmente, mas é importante lembrar que ninguém está sozinho e, por isso, há saída. Procurar ajuda é essencial, pois conserva a saúde mental e física.

FONTE: https://www.donacoelha.com/blog/vicio-em-sexo-como-saber-que-estou-assim-identificando-o-transtorno/